Clique aqui para fechar esta janela                                                                            Voltar a página anterior

ESTUDO DA FÍSICA

 

O SEU SITE DE ESTUDO NA NET

  SIMULADO ON-LINE  
DILATAÇÃO TÉRMICA - PARTE III 
 
BOA SORTE

 

1. (UFU-MG) Uma ponte de aço tem 1 000 m de comprimento. O coeficiente de dilatação linear do aço é de 11 . 10-6 °C -1 . A expansão da ponte, quando a temperatura sobe de 0 para 30 °C, é de:
a) 33 cm. 
b) 37 cm. 
c) 41 cm.
d) 52 cm.
e) 99 cm.
 
 
2. (ITA-SP) Um anel de cobre, a 25 °C, tem um diâmetro interno de 5 cm. Quais das opções abaixo corresponderá ao diâmetro interno desse mesmo anel a 275 °C, admitindo que o coeficiente de dilatação térmica do cobre no intervalo de 0 ° C a 300 ° C seja constante e igual a 1,6 . 10-5  °C-1 ?
a) 4,98 cm 
b) 5,01 cm 
c) 5,02 cm
d) 5,08 cm
e) 5,12 cm
 
 
3. (UEL-PR) Uma barra metálica, inicialmente à temperatura de 20 °C, é aquecida até 260 °C e sofreu uma dilatação igual a 0,6% do seu comprimento inicial. O coeficiente de dilatação linear médio do metal, nesse intervalo de temperatura, em ° C-1, vale:
a) 2,5 . 10-4
b) 4 . 10-4
c) 2,5 . 10-5
d) 4 . 10-5
e) 2,5 . 10-6
 
 
4. (Fatec-SP) Uma barra metálica, quando aquecida de 0 °C a 100 ° C, sofre um acréscimo de comprimento igual a um milésimo do seu comprimento a 0 °C. Podemos afirmar que o seu coeficiente de dilatação linear, suposto constante, vale, em °C-1:
a) 1 . 10-3
b) 1 . 10-4
c) 2 . 10-4.  
d) 1 . 10-5.
e) 2 . 10-5.
 
 
5. (MACK-SP) Uma barra metálica de coeficiente de dilatação linear médio de 2 . 10-5 ° C -1 a 20 ° C é colocada no interior de um forno. Após a barra ter atingido o equilíbrio térmico, verifica-se que seu comprimento é 1 % maior. A temperatura do forno é de:
a) 520 °C. 
b) 400 °C. 
c) 350 °C.
d) 200 °C.
e) 100 °C.
 
 
6. (UEPG-PR) Uma metalúrgica ajusta um pistão de alumínio de 85 mm de diâmetro a um motor cujo cilindro é de ferro e tem um diâmetro interno de 85,065 mm a uma temperatura de 25 ° C. A temperatura de regime de trabalho do motor, para que seu desempenho não seja afetado, deve ser imediatamente inferior a: (Dados: coeficiente de dilatação do alumínio: 23 . 10-6 °C-1; coeficiente de dilatação do ferro: 12 . 10-6 °C-1.)
a) 25 °C.
b) 216,7 °C. 
c) 432 °C. 
d) 94,5 °C.
e) Nenhuma das alternativas anteriores é correta.
 
 
7. (UFF-RJ) O dono de um posto de gasolina consulta uma tabela de coeficientes de dilatação volumétrica obtendo gálcool = 10-3° C-1. Assim, ele verifica que se comprar 14 000 litros do combustível em um dia em que a temperatura do álcool é de 20 °C e revendê-los num dia mais quente, em que esta  temperatura seja de 30 °C, estará ganhando:
a) 1,4 . 102 litros.  
b) 1,4 . 103 litros. 
c) 5,2 . 103 litros. 
d) 1,5 . 104 litros. 
e) 5,2 . 104 litros.
 
 
8. (UFV-MG) Uma barra de alumínio de 10,000 m de comprimento, a 20 ° C, quando aquecida à temperatura de 120 ° C tem seu comprimento elevado para 10,022 m. O coeficiente de dilatação térmica linear do alumínio, em °C-1 , é:
a) 22 . 10-7. 
b) 22 . 10-6.
c) 22 . 10-9. 
d) 22 . 10-8.
e) 22 . 10-10.
 
 
9. (PUC-RS) Coloca-se água quente num copo de vidro comum e noutro de vidro pirex. O vidro comum trinca com maior facilidade que o vidro pirex porque:
a) o calor específico do pirex é menor que o do Vidro comum.
b) o calor específico do pirex é maior que o do vidro comum.
c) a variação de temperatura no vidro comum é maior.
d) o coeficiente de dilatação do vidro comum é maior que o do vidro pirex.
e) o coeficiente de dilatação do vidro comum é menor que o do vidro pirex.
 
 
10. (UFRS) Um sólido homogêneo apresenta, a 5 °C, um volume igual a 4,00 dm3. Aquecido até 505 °C, seu volume aumenta de 0,06 dm3. Qual o coeficiente de dilatação linear aproximado do material desse sólido?
a) 3 . 10-5 oC-1 
b) 2 . 10-5 oC-1
c) 1,5 . 10-5 oC-1 
d) 1 . 10-5 oC-1
e) 0,5 . 10-5 oC-1
 
 
11. (PUCC-SP) Uma esfera de aço tem um volume de 100 cm3 a 0 °C. Sabendo que o coeficiente de dilatação linear do aço é de 12 . 10-6 ° C-1 , o acréscimo de volume sofrido por essa esfera, quando aquecida a 500 °C, em cm3, é de:
a) 0,6.   
b) 1,2.  
c) 1,8. 
d) 3,6. 
e) 5,0.
 
 
12. (UCSAL-BA) Ao aquecer uma esfera metálica maciça de 30 °C a 70 °C, seu volume sofre um aumento de 0,60%. O coeficiente de dilatação linear médio do metal, em °C-1, vale:
a) 1,5 . 10-6.  
b) 5,0 . 10-6. 
c) 1,5 . 10-5
d) 5,0 . 10-5. 
e) 1,5 . 10-4.
 
 
13. (UFPI) O coeficiente de dilatação volumétrica do azeite é de 8 . 10-4 °C-1. A variação de volume de 1 litro de azeite, quando sofre um acréscimo de temperatura de 50 °C, é, em cm3, de:
a) 4 . 10-4.  
b) 8 . 10-2. 
c) 8.  
d) 40. 
e) 400. 
 
 
14. (Fatec-SP) Uma barra de aço de 5,000 m, quando submetida a uma variação de temperatura de 100 °C, sofre uma variação de comprimento de 6,0 mm. 0 coeficiente de dilatação linear do alumínio é o dobro do aço. Então, uma barra de alumínio de    5,000 m, submetida a uma variação de 50 °C, sofre uma dilatação de:
a) 3,0 mm.  
b) 6,0 mm.  
c) 9,0 mm. 
d) 12,0 mm. 
e) 18,0 mm. 

 
15. (Mack-SP) Um corpo de capacidade térmica de 50 cal/oC, ao receber 5,0 . 103 cal, varia seu volume de 10,0 litros para      10,3 litros. O coeficiente de di­latação linear do material que constitui esse corpo, nessa variação de temperatura, vale:
a) 1,0 . 10-4 oC -l .  
b) 2,0 . 10-4 oC -l . 
c) 3,0 . 10-4 oC -l . 
d) 1,0 . 10-5 oC -l . 
e) 3,0 . 10-5 oC -l .
 
 
16. (Santa Casa -SP) A temperatura de um corpo homogêneo aumen­ta de 20 oC para 920 oC e ele continua em esta­do sólido. A variação percentual do volume do corpo foi de 3,24%. O coeficiente de dilatação linear médio do material, em 10-6 oC-1 , vale:
a) 12,0
b) 24,0
c) 32,4
d) 120
e)  240
 
 
17. (UEL-PR) Uma peça sólida tem uma cavidade cujo volume vale 8 cm3 a 20 oC. A temperatura da peça varia para 920 oC e o coeficiente de dilatação linear do sólido (12 . 10-6 oC-1 ) pode ser considerado constante. Supondo que a pres­são interna da cavidade seja sempre igual à externa, a variação percentual do volume da cavidade foi de:
a) 1,2% 
b) 2,0% 
c) 3,2% 
d) 5,8% 
e) 12% 
 
 
18. (U. Uberaba -MG) No continente europeu uma linha férrea da ordem de 600 km de extensão tem sua temperatura variando de - 10 oC no inverno até 30 oC no verão. O coeficiente de dilatação linear do material de que é feito o trilho é 10-5 °C-1. A variação de comprimento que os trilhos sofrem na sua extensão é, em m, igual a:
a)  40
b) 100
c) 140
d) 200
e) 240
 
 
19. (UEPA) Os trilhos de trem, normalmente de 20 m de comprimento, são colocados de modo a manterem entre duas pontas consecutivas uma pequena folga chamada junta de dilatação. Isso evita que eles se espremam, sofrendo deformações devido à ação do calor nos dias quentes. Considere que uma variação de temperatura da noite para o (meio) dia possa chegar a (aproximadamente) 25 °C, fazendo-os dilatar cerca de 5 mm. Nesse caso, o coeficiente de dilatação linear do material de que é feito o trilho é, em oC-1, de:
a) 104 
b)
c) 10-3 
d) 2 . 10-5 
e) 10-5
 
 
20. (UEBA) Uma peça de zinco é construída a partir de uma chapa quadrada de lado 30 cm, da qual foi retirado um pedaço de área de 500 cm2. Elevando-se de 50 °C a temperatura da peça restante, sua área final, em cm2, será mais próxima de:
(Dado: coeficiente de dilatação linear do zinco = 2,5 . 10-5 °C-1.)
a) 400
b) 401
c) 405
d) 408
e) 416
 
 

RESULTADOS

Sua nota será:
Você acertou as questões:
Você errou as questões:

VERIFICAR GABARITO