Clique aqui para fechar esta janela                                                                            Voltar a página anterior

ESTUDO DA FÍSICA
O SEU SITE DE ESTUDO NA NET
  SIMULADO ON-LINE  
ENEM 2000 ( II Parte ) 
BOA SORTE
 
22. O gráfico abaixo representa o fluxo (quantidade de água em movimento) de um rio, em três regiões distintas, após certo tempo de chuva. Comparando-se, nas três regiões, a interceptação da água da chuva pela cobertura vegetal, é correto afirmar que tal interceptação:
a) é maior no ambiente natural preservado. 
b) independe da densidade e do tipo de vegetação. 
c) é menor nas regiões de florestas.
d) aumenta quando aumenta o grau de intervenção humana.
e) diminui à medida que aumenta a densidade da vegetação.

 

 
 
23. No ciclo da água, usado para produzir eletricidade, a água de lagos e oceanos, irradiada pelo Sol, evapora-se dando origem a nuvens e se precipita como chuva. É então represada, corre de alto a baixo e move turbinas de uma usina, acionando geradores. A eletricidade produzida é transmitida através de cabos e fios e é utilizada em motores e outros aparelhos elétricos. Assim, para que o ciclo seja aproveitado na geração de energia elétrica, constrói-se uma barragem para represar a água.
Entre os possíveis impactos ambientais causados por essa construção, devem ser destacados:    
a) aumento do nível dos oceanos e chuva ácida.
b) chuva ácida e efeito estufa.
c) alagamentos e intensificação do efeito estufa.
d) alagamentos e desequilíbrio da fauna e da flora.
e) alteração do curso natural dos rios e poluição atmosférica.
 
24. “Casa que não entra sol, entra médico.” Esse antigo ditado reforça a importância de, ao construirmos casas, darmos orientações adequadas aos dormitórios, de forma a garantir o máximo conforto térmico e salubridade.
Assim, confrontando casas construídas em Lisboa (ao norte do Trópico de Câncer) e em Curitiba (ao sul do  Trópico de Capricórnio), para garantir a necessária luz do sol, as janelas dos quartos não devem estar voltadas, respectivamente, para os pontos cardeais:
a) norte/sul. 
b) sul/norte. 
c) leste/oeste.
d) oeste/leste.
e) oeste/oeste.  
 
 
25. João deseja comprar um carro cujo preço à vista, com todos os descontos possíveis, é  de R$ 21.000,00, e esse valor não será reajustado nos próximos meses.
Ele tem R$ 20.000,00, que podem ser aplicados a uma taxa de juros compostos de 2% ao mês, e escolhe deixar todo o seu dinheiro aplicado até que o montante atinja o valor do carro.
Para ter o carro, João deverá esperar:
a) dois meses, e terá a quantia exata.
b) três meses, e terá a quantia exata.
c) três meses, e ainda sobrarão, aproximadamente, R$ 225,00. 
d) quatro meses, e terá a quantia exata.
e) quatro meses, e ainda sobrarão, aproximadamente, R$ 430,00.
 
 
26. A tabela abaixo apresenta algumas das principais causas de mortes no Brasil, distribuídas por região. 

 

Taxa por 10.000 habitantes

 

Brasil

Região K

Região X

Região W

Região Y

Região Z

Causas mal definidas

9

5

15

8

6

6

Causas externas

7

8

5

5

7

9

Neoplasias (cânceres)

6

5

3

3

9

9

Doenças respiratórias

6

4

3

2

8

7

Fonte: Ministério da Saúde, 1996
 
São conhecidas ainda as seguintes informações sobre as causas de óbitos:
-      A dificuldade na obtenção de informações, a falta de notificação e o acesso precário aos serviços de saúde são fatores relevantes na contabilização dos óbitos por causas mal definidas.
-      O aumento da esperança de vida faz com que haja cada vez mais pessoas com maiores chances de desenvolver algum tipo de câncer.
-      As mortes por doenças do aparelho respiratório estão estreitamente associadas à poluição nos grandes centros urbanos.
-      Os acidentes de trânsito e os assassinatos representam a quase totalidade das mortes por causas externas.
-      A região Norte é a única que apresenta todas as taxas por 10.000 habitantes abaixo da taxa média brasileira.
Levando em consideração essas informações e o panorama social, econômico e ambiental do Brasil, pode-se concluir que as regiões K, X, W, Y e Z da tabela indicam, respectivamente, as regiões:
a) Sul, Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste. 
b) Centro-Oeste, Sudeste, Norte, Nordeste e Sul.
c) Centro-Oeste, Nordeste, Norte, Sul e Sudeste.
d) Norte, Nordeste, Sul, Centro-Oeste e Sudeste. 
e) Norte, Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Sul.
 
 
27. O gráfico abaixo representa a evolução da quantidade de oxigênio na atmosfera no curso dos tempos geológicos. O número 100 sugere a quantidade atual de oxigênio na atmosfera, e os demais valores indicam diferentes porcentagens dessa quantidade.  
De acordo com o gráfico é correto afirmar que:
a) as primeiras formas de vida surgiram na ausência de O2.  
b) a atmosfera primitiva apresentava 1% de teor de oxigênio.
c) após o início da fotossíntese, o teor de oxigênio na atmosfera mantém-se estável.  
d) desde o Pré-cambriano, a atmosfera mantém os mesmos níveis de teor de oxigênio.  
e) na escala evolutiva da vida, quando surgiram os anfíbios, o teor de oxigênio atmosférico já se havia estabilizado.
 
28. Os fluxos migratórios humanos, representados nos mapas abaixo, mais do que um deslocamento espacial podem significar uma mudança de condição social.
Fonte: Adaptado de SANTOS, Regina Bega. Migrações no Brasil. São Paulo: Scipione, 1994.
Analisando-se os mapas, pode-se afirmar que essa mudança ocorreu com:
a) trabalhadores rurais nordestinos, que migraram para São Paulo nas décadas de 50 e de 60, transformando-se em operários do setor industrial.
b) agricultores sulistas, que migraram para o centro-oeste na década de 60, transformando-se em empresários da mineração. 
c) trabalhadores rurais nordestinos, que migraram para a Amazônia na década de 60, transformando-se em grandes proprietários de terras.
d) moradores das periferias das grandes cidades, que migraram para o interior do país na década de 70 atraídos pelas oportunidades de emprego nas reservas extrativistas.
e) pequenos proprietários rurais nordestinos que, na década de 70, migraram para São Paulo para trabalhar como bóias-frias na colheita de café.
 
 
29.O texto abaixo foi extraído de uma crônica de Machado de Assis e refere-se ao trabalho de um escravo.

“Um dia começou a guerra do Paraguai e durou cinco anos, João repicava e dobrava, dobrava e repicava pelos mortos e pelas vitórias. Quando se decretou o ventre livre dos escravos, João é que repicou. Quando se fez a abolição completa, quem repicou foi João. Um dia proclamou-se a República. João repicou por ela, repicaria pelo Império, se o Império retornasse.”

 (MACHADO, Assis de. Crônica sobre a morte do escravo João, 1897)

A leitura do texto permite afirmar que o sineiro João:
a) por ser escravo tocava os sinos, às escondidas, quando ocorriam fatos ligados à Abolição.
b) não poderia tocar os sinos pelo retorno do Império, visto que era escravo.
c) tocou os sinos pela República, proclamada pelos abolicionistas que vieram libertá-lo.
d) tocava os sinos quando ocorriam fatos marcantes porque era costume fazê-lo.  
e) tocou os sinos pelo retorno do Império, comemorando a volta da Princesa Isabel.
 
 
30. Uma garrafa de vidro e uma lata de alumínio, cada uma contendo 330 mL de refrigerante, são mantidas em um refrigerador pelo mesmo longo período de tempo. Ao retirá-las do refrigerador com as mãos desprotegidas, tem-se a sensação de que a lata está mais fria que a garrafa.
É correto afirmar que:
a) a lata está realmente mais fria, pois a capacidade calorífica da garrafa é maior que a da lata.
b) a lata está de fato menos fria que a garrafa, pois o vidro possui condutividade menor que o alumínio.
c) a garrafa e a lata estão à mesma temperatura, possuem a mesma condutividade térmica, e a sensação deve-se à diferença nos calores específicos.
d) a garrafa e a lata estão à mesma temperatura, e a sensação é devida ao fato de a condutividade térmica do alumínio ser maior que a do vidro. 
e) a garrafa e a lata estão à mesma temperatura, e a sensação é devida ao fato de a condutividade térmica do vidro ser maior que a do alumínio.
 
 
31.  Em 1999, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento elaborou o “Relatório do Desenvolvimento Humano”, do qual foi extraído o trecho abaixo.
Nos últimos anos da década de 90, o quinto da população mundial que vive nos países de renda mais elevada tinha:
·       86% do PIB mundial, enquanto o  quinto de menor renda, apenas 1%;
·       82% das exportações mundiais, enquanto  o quinto de menor renda, apenas 1%;
·       74% das linhas telefônicas mundiais, enquanto  o quinto de menor renda, apenas 1,5%;
·       93,3% das conexões com a Internet, enquanto o quinto de menor renda, apenas 0,2%.
A distância da renda do quinto da população mundial que vive nos países mais pobres - que era de 30 para 1, em 1960 — passou para 60 para 1, em 1990, e chegou a 74 para 1, em 1997.
De acordo com esse trecho do relatório, o cenário do desenvolvimento humano mundial, nas últimas décadas,  foi caracterizado pela:
a) diminuição da disparidade entre as nações. 
b)  diminuição da marginalização de países pobres.  
c) inclusão progressiva de países no sistema produtivo
d) crescente concentração de renda, recursos e riqueza 
e) distribuição eqüitativa dos resultados das inovações tecnológicas.
 
 
O autor do texto abaixo critica, ainda que em linguagem metafórica, a sociedade contemporânea em relação aos seus hábitos alimentares.

“Vocês que têm mais de 15 anos, se lembram quando a gente comprava leite em garrafa, na leiteria da esquina? (...)

Mas vocês não se lembram de nada, pô! Vai ver nem sabem o que é vaca. Nem o que é leite. Estou falando isso porque agora mesmo peguei um pacote de leite – leite em pacote, imagina, Tereza! – na porta dos fundos e estava escrito que é pasterizado, ou pasteurizado, sei lá, tem vitamina, é garantido pela embromatologia, foi enriquecido e o escambau.

Será que isso é mesmo leite? No dicionário diz que leite é outra coisa: ‘Líquido branco, contendo água, proteína, açúcar e sais minerais’. Um alimento pra ninguém botar defeito. O ser humano o usa há mais de 5.000 anos. É o único alimento só alimento. A carne serve pro animal andar, a fruta serve pra fazer outra fruta, o ovo serve pra fazer outra galinha (...) O leite é só leite. Ou toma ou bota fora.

Esse aqui examinando bem, é só pra botar fora. Tem chumbo, tem benzina, tem mais água do que leite, tem serragem, sou capaz de jurar que nem vaca tem por trás desse negócio.

Depois o pessoal ainda acha estranho que os meninos não gostem de leite. Mas, como não gostam? Não gostam como? Nunca  tomaram! Múúúúúúú!”

(FERNANDES, Millôr. O Estado de S. Paulo, 22 de agosto de 1999)

 
32. A crítica do autor é dirigida:
a) ao desconhecimento, pelas novas gerações, da importância do gado leiteiro para a economia nacional.   
b) à diminuição da produção de leite após o desenvolvimento de tecnologias que têm substituído os produtos naturais por produtos artificiais. 
c) à artificialização abusiva de alimentos tradicionais, com perda de critério para julgar sua qualidade e sabor. 
d) à permanência de hábitos alimentares a partir da revolução agrícola e da domesticação de animais iniciada há 5.000 anos. 
e) à importância dada ao pacote de leite para a conservação de um produto perecível e que necessita de aperfeiçoamento tecnológico.
 
 
33. A palavra embromatologia usada pelo autor é:
a) um termo científico que significa estudo dos bromatos.
b) uma composição do termo de gíria “embromação” (enganação) com bromatologia, que é o estudo dos alimentos.
c) uma junção do termo de gíria “embromação” (enganação) com lactologia, que é o estudo das embalagens para leite.
d) um neologismo da química orgânica que significa a técnica de retirar bromatos dos laticínios.
e) uma corruptela de termo da agropecuária que significa a ordenha mecânica.
 
 
34. O gráfico abaixo refere-se às variações das concentrações de poluentes na atmosfera, no decorrer de um dia útil, em um grande centro urbano.
(Adaptado de NOVAIS, Vera. Ozônio: aliado ou inimigo. São Paulo: Scipione,1998)
As seguintes explicações foram dadas para essas variações:
I. A concentração de NO diminui, e a de NO2 aumenta em razão da conversão de NO em NO2.
II. A concentração de monóxido de carbono no ar está ligada à maior ou à menor intensidade de tráfego.
III. Os veículos emitem óxidos de nitrogênio apenas nos horários de pico de tráfego do período da manhã.
IV. Nos horários de maior insolação, parte do ozônio da estratosfera difunde-se para camadas mais baixas da atmosfera.
Dessas explicações, são plausíveis somente:
a) I e II. 
b) I e III.
c) II e III.
d) II e IV. 
e) III e IV.
 
 
35. Os textos abaixo relacionam-se a momentos distintos da nossa história.

“A integração regional é um instrumento fundamental para que um número cada vez maior de países possa melhorar a sua inserção num mundo globalizado, já que eleva o seu nível de competitividade, aumenta as trocas comerciais, permite o aumento da produtividade, cria condições para um maior crescimento econômico e favorece o aprofundamento dos processos democráticos.

A integração regional e a globalização surgem assim como processos complementares e vantajosos.”

 (Declaração de Porto, VIII Cimeira Ibero-Americana, Porto, Portugal, 17 e 18 de outubro de 1998)

 

“Um considerável número de mercadorias passou a ser produzido no Brasil, substituindo o que não era possível ou era muito caro importar. Foi assim que a crise econômica mundial e o encarecimento das importações levaram o governo Vargas a criar as bases para o crescimento industrial brasileiro.”

 (POMAR, Wladimir. Era Vargas – a modernização conservadora)

É correto afirmar que as políticas econômicas mencionadas nos textos são:
a) opostas, pois, no primeiro texto, o centro das preocupações são as exportações e, no segundo, as importações.  
b) semelhantes, uma vez que ambos demonstram uma tendência protecionista. 
c) diferentes, porque, para o primeiro texto, a questão central é a integração regional e, para o segundo, a política de substituição de importações. 
d)  semelhantes, porque consideram a integração regional necessária ao desenvolvimento econômico. 
e) opostas, pois, para o primeiro texto, a globalização impede o aprofundamento democrático e, para o segundo, a globalização é geradora da crise econômica.

 
36. O esquema abaixo representa os diversos meios em que se alimentam aves, de diferentes espécies, que fazem ninho na mesma região.
Com base no esquema, uma classe de alunos procurou identificar a possível existência de  competição alimentar entre essas aves e concluiu que:
a) não há competição entre os quatro tipos de aves porque nem todas elas se alimentam nos mesmos locais.  
b) não há competição apenas entre as aves dos tipos 1, 2 e 4 porque retiram alimentos de locais exclusivos.
c) há competição porque a ave do tipo 3 se alimenta em todos os lugares e, portanto, compete com todas as demais.
d) há competição apenas entre as aves 2 e 4 porque retiram grande quantidade de alimentos de um mesmo local. 
e) não se pode afirmar se há competição entre as aves que se alimentam em uma mesma região sem conhecer os tipos de alimento que consomem.
 
 
O ferro pode ser obtido a partir da hematita, minério rico em óxido de ferro, pela reação com carvão e oxigênio. A tabela a seguir apresenta dados da análise de minério de ferro (hematita) obtido de várias regiões da Serra de Carajás.

Minério da região

Teor de enxofre (S) / % em massa

Teor de ferro (Fe) / % em massa

Teor de sílica (SiO2) / % em massa

1

0,019

63,5

0,97

2

0,020

68,1

0,47

3

0,003

67,6

0,61

 
37. No processo de produção do ferro, dependendo do minério utilizado, forma-se mais ou menos SO2, um gás que contribui para o aumento da acidez da chuva. Considerando esse impacto ambiental e a quantidade de ferro produzida, pode-se afirmar que seria mais conveniente o processamento do minério da(s) região(ões):
a) 1, apenas. 
b) 2, apenas 
c) 3, apenas. 
d) 1 e 3, apenas.  
e) 2 e 3, apenas. 
 
 
38. No processo de produção do ferro, a sílica é removida do minério por reação com calcário (CaCO3). Sabe-se, teoricamente (cálculo estequiométrico), que são necessários 100 g de calcário para reagir com 60 g de sílica.
Dessa forma, pode-se prever que, para a remoção de toda a sílica presente em 200 toneladas do minério na região 1, a massa de calcário necessária é, aproximadamente, em toneladas, igual a:
a) 1,9  
b) 3,2
c) 5,1
d) 6,4 
e) 8,0
 
 
Um apostador tem três opções para participar de certa modalidade de jogo, que consiste no sorteio aleatório de um número dentre dez.
1a opção: comprar três números para um único sorteio.
2a opção: comprar dois números para um sorteio e um número para um segundo sorteio.
3a opção:  comprar um número para cada sorteio, num total de três sorteios.
 
39. Se X, Y, Z representam as probabilidades de o apostador ganhar algum prêmio, escolhendo, respectivamente, a 1a, a 2a ou a 3a opções, é correto afirmar que:
a) X < Y < Z. 
b)  X = Y = Z.
c) X >Y = Z.
d) X = Y > Z.
e) X > Y > Z.
 
 
40. Escolhendo a 2a opção, a probabilidade de o apostador não ganhar em qualquer dos sorteios é igual a:
a) 90%
b) 81%
c) 72%
d) 70% 
e) 65%
 
 
Um boato tem um público-alvo e alastra-se com determinada rapidez. Em geral, essa rapidez é diretamente proporcional ao número de pessoas desse público que conhecem o boato e diretamente proporcional também ao número de pessoas que não o conhecem. Em outras palavras, sendo R a rapidez de propagação, P o público-alvo e x o número de pessoas que conhecem o boato, tem-se:
R(x) = k.x.(P-x), onde k é uma constante positiva característica do boato.
 
41. O gráfico cartesiano que melhor representa a função R(x), para x real, é:
a)         b)
c) d)
e)       
 
 
42. Considerando o modelo acima descrito, se o público-alvo é de 44.000 pessoas, então a máxima rapidez de propagação ocorrerá quando o boato for conhecido por um número de pessoas igual a:
a) 11 000  
b) 22 000
c) 33 000 
d) 38 000
e) 44 000 
 
 

RESULTADOS

Sua nota será:
Você acertou as questões:
Você errou as questões:

VERIFICAR GABARITO